Ex-aluno do Proerd, de 1999, vira aluno soldado agora em 2017

Por: Cabo Denício Francisco Rosa, em 16/05/2017


No ano de 1999, Roice Martins de Mello era apenas uma criança de 9 anos e cursava a 4ª série primária. Neste mesmo ano, o 12º Batalhão de Polícia Militar (BPM) iniciava as atividades do Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (Proerd), em Balneário Camboriú. Na época, o então 3º sargento Rogério Corrêa, era um dos instrutores do programa na cidade, enquanto também acumulava as funções de P4 do quartel. Hoje, o destino fez o dois se encontrarem novamente.

O tempo passou e, 17 anos depois, agora em 2017, o ex-aluno do Proerd Roice ingressou no Curso de Formação de Soldados (CFSd) do 12º BPM. Além de Roice, outros 13 alunos soldados (dos 59 que estão fazendo o curso) também foram alunos do Proerd, quando cursavam o ensino fundamental. Todos, com orgulho, comentam que nunca esqueceram daquelas aulas.

Atualmente, o subtenente Corrêa, com seus 51 anos de vida e 32 anos de serviços prestados à PMSC, ao ver o ex-aluno, se lembra com alegria dos tempos em que ministrava as aulas no Proerd.

Corrêa comenta que foi um dos primeiros instrutores do Proerd na cidade, juntamente com outros três policiais militares. Recorda que naquela época eles tinham de enfrentar algumas dificuldades, até porque com recursos escassos e com muito esforço não podiam deixar de acreditar na relevância de um dos programas mais importantes que Polícia Militar de Santa Catarina implantava no Estado. “Era uma época difícil. Com muitas ocorrências de furtos, entre outros crimes, e a sociedade clamava por mais segurança. Mas, quando começamos o Proerd, a comunidade passou a nos olhar com outros olhos. Nos parabenizavam e elogiavam a Polícia Militar. Muitas pessoas passaram a acreditar que o programa poderia mudar o futuro de muitas crianças”, lembrou.

O policial destaca que era uma missão de "quebra de paradigmas". Aponta que em uma época onde predominava a cultura do medo, ao passo que os pais cobravam obediência dos filhos, e ameaçavam chamar a polícia, com isso, acabavam por criar uma distorção, referente a figura do policial militar. "Felizmente, hoje em dia, já mudou muito essa cultura...e as crianças já nos veem como amigos”, comemora.

Com brilho nos olhos, o subtenente recorda que contava suas experiências aos alunos: “Eu passava o conteúdo das aulas e contava minhas experiências. Histórias de mais de quatro anos cuidando da segurança de uma penitenciária, em contato com pessoas que estavam lá por envolvimento com crimes e coisas erradas. A cada novo dia de aula a turma já se aproximava mais, e também faziam novas perguntas. Eu explicava que os policiais estavam lá para dar segurança e para ensinar sobre a importância de obedecer aos pais e respeitar as famílias, dando a real noção dos malefícios das drogas. Ao final das aulas, eu já não via mais o medo, apenas a tristeza...por conta do término das aulas ”, se emocionou.

Agora, depois de tantos anos, as duas histórias se cruzam novamente. Assim, uma coisa fica clara: a certeza de que o bom exemplo e a dedicação são forças capazes de servir de inspiração. Enfim, um subtenente terminando sua carreira e um novo soldado iniciando a sua.

Ultimas Notícias Institucionais

  • Prevenção

    Braço do Norte: Proerd inicia aulas ...
    22/06/2017
  • Criciúma

    Comandante-geral visita alunos soldad...
    22/06/2017
  • Rio do Sul

    Oficial médico encerra atividades no...
    22/06/2017
  • Reconhecimento

    Câmara Municipal de Palhoça homenag...
    22/06/2017
  • Melhor idade

    11°BPM promove pedágio educativo ao...
    22/06/2017
  • Novos agentes temporários

    1ª RPM e 11ª RPM formam novas turma...
    21/06/2017
  • Brusque

    18º BPM forma primeira turma do Proe...
    21/06/2017
  • Brusque

    Polícia Militar Ambiental participa ...
    21/06/2017
  • Tubarão

    Polícia Militar participa do aniversá...
    21/06/2017
  • Tubarão

    Comandante-geral visita CFSd do 5º BPM
    21/06/2017