PROGESP

O que é o PROGESP?
O Programa de Gerenciamento de Estresse Profissional e Pós-Traumático (PROGESP) foi instituído na Polícia Militar de Santa Catarina através da Diretriz nº 027/2007/Cmdo G. Desde então, o PROGESP tem realizado ações focadas na educação, avaliação e acompanhamento psicológicos, e estudos. No ano de 2013, contaremos com um psicólogo em cada Região de Polícia Militar que somará à equipe técnica do PROGESP.


Qual é o objetivo do PROGESP?
A natureza do serviço do policial militar apresenta risco de morte, contato com a violência, significativa responsabilidade pela vida de outras pessoas, diversas exigências funcionais, afetando não somente os profissionais, como também seus familiares, repercutindo na instituição e na sua imagem perante a sociedade.

O estresse ocupacional é considerado um fator de risco às condições de saúde do profissional. É um termo utilizado para descrever a reação do organismo a situações do dia-a-dia, que repercutem negativamente no equilíbrio de funções fisiológicas e psicológicas de quem está submetido a essa condição reativa. Geralmente, pode-se dizer que uma pessoa sofre de estresse quando as pressões externas (trabalho, família, preocupações financeiras etc.) fogem à capacidade de suportá-las, o que leva a sinais e sintomas de estresse, tais como fadiga, ansiedade, irritabilidade, perda de capacidade de concentração e insônia.

Na atividade de preservação da ordem pública, o estresse pode ser gerado a partir das tentativas de adaptação a situações do cotidiano, demandando esforços continuados, como também a partir do envolvimento em incidentes críticos, ou seja, em ocorrências potencialmente impactantes, como situações de confrontos, mortes, lesões graves, desastres naturais, suicídio de colega, episódios com grande repercussão negativa na mídia, entre outras.

A participação em incidente crítico pode desencadear o Transtorno de Estresse Pós-traumático. Os sintomas do Transtorno de Estresse Pós-traumático são diversos e costumam gerar um quadro incapacitante ao serviço. O policial militar pode apresentar insônia, hipervigilância, comportamento agressivo, explosões de raiva, revivência ou rememoração da situação estressora, isolamento social, entorpecimento, ansiedade, esquiva de estímulos que provocam recordações do trauma, desesperança, dificuldade de concentração, entre outros sintomas.

De acordo com dados colhidos da Junta Médica da Corporação (JMC), no período do ano de 2005 a 2009, os afastamentos por transtornos mentais e comportamentais representaram cerca de 30% das concessões de Licença para Tratamento de Saúde (LTS), bem como 28% das reformas por incapacidade foram motivadas por transtornos da mesma ordem. Logo, quase um terço das LTS e das reformas devem-se ao adoecimento mental do policial militar. Esse mesmo estudo revelou que um terço dos afastamentos por adoecimento mental foi motivado por estresse. Além do afastamento e reforma, o estresse resulta em aumento da incidência de absenteísmo, dependência química, conflitos familiares, queda de desempenho laboral, doenças físicas, entre outros problemas institucionais e pessoais.

No entanto, o índice de afastamentos e reformas por transtornos mentais e comportamentais, bem como todas as outras mazelas redutoras da qualidade de vida podem ser minimizadas através de ações continuadas de prevenção ao estresse profissional, que promoverão, por conseqüência, a saúde mental dos policiais militares.

Nesse sentido, o PROGESP se propõe a realizar ações focadas na educação do policial militar para o auto-gerenciamento de estresse e na prevenção e tratamento do Transtorno de Estresse Pós-traumático e do Transtorno de Ajustamento.

Em que situações a equipe do PROGESP deve ser acionada?
Sempre que uma ocorrência policial caracterizar um INCIDENTE CRÍTICO, o Comandante da Organização Policial Militar deverá ficar atento ao envolvimento de policiais subordinados, informando através do RIC – Registro de Incidente Crítico - à equipe do PROGESP:
- qualquer ocorrência que tenha causado impacto emocional nos policiais envolvidos;
- ocorrência com morte ou lesão grave de policial militar;
- ocorrência envolvendo múltiplas vítimas fatais ou poli-traumatizadas;
- ocorrência com morte ou ferimento grave de cidadão civil relacionada a ação ou operação policial;
- ocorrências com grave risco de morte para o policial militar, provocado pela ação intencional de terceiros;
- ocorrências de confronto com a utilização de armas de fogo com o resultado de ferimento ou morte de cidadão civil;
- ocorrência com morte traumática e dolorosa de uma ou mais crianças com envolvimento, causal ou não, dos policiais;

O programa também realiza intervenções em casos de policiais militares que apresentam sinais e sintomas de estresse ocupacional, atendendo o próprio policial militar e avaliando necessidades de mudanças no ambiente de trabalho.


Como acionar o PROGESP?
1. Ao findar a ocorrência do incidente crÍtico, o Comandante da Organização Policial Militar, preferencialmente nas próximas 24 horas, deverá preencher o formulário do Registrode Incidente Crítico
(clique aqui para acessá-lo), para mobilização da equipe do aludido Programa;
2.Aguardar o contato da equipe do PROGESP, que ocorrerá no prazo de 48 horas.

Em casos de estresse ocupacional, a equipe pode ser acionada pelo endereço: dspsprogesp@pm.sc.gov.br .


Quem são os integrantes da Equipe do PROGESP?
Diretor da Diretoria de Saúde e Promoção Social - Coronel PM Reinaldo – Coordenador Geral;
Subdiretor da Diretoria de Saúde e Promoção Social - Tenente-Coronel PM Aroldo – Coordenador Executivo;
Chefe da Divisão de Serviço Social - Capitão PM Novaes – Coordenador da equipe técnica - Psicólogo
Soldado PM Azevedo – Psicólogo

Contato:
(48) 3229-6544 e (48) 3229-6542 / dspsprogesp@pm.sc.gov.br